NOSSO BLOG
24/09/2019 às 18h48
Consultor de qualidade de energia: Interno ou Externo?

A questão da qualidade de energia elétrica tem ganhado cada vez mais importância, principalmente em decorrência das evoluções da indústria e o surgimento de tendências como Indústria 4.0, Internet das Coisas (IoT), entre outras tecnologias. Isto porque, cada vez mais cara e controlada, a energia elétrica tornou-se um bem valioso para as empresas.

Uma energia de qualidade, com parâmetros dentro do esperado, participa efetivamente de um resultado geral qualitativo na indústria. Se for utilizada para a produção, a energia elétrica com qualidade será certamente responsável por um menor tempo de produção e custo, resultando em melhores produtos. É fato que a redução do volume de produção deve ser uma decisão do cliente e não uma função da máquina ou da energia que a alimenta, ou seja, se uma máquina foi adquirida para produzir duas mil peças por hora, por exemplo, a decisão de produzir mil deve ser do gerente de produção e não da máquina, que não consegue produzir duas mil peças, pois a qualidade da energia elétrica é ruim e não permite sua melhor performance.

E onde entra a consultoria em qualidade de energia?

Para conseguir uma energia com qualidade e melhor performance, é preciso esmero. Para isso é fundamental decidir quem é o responsável por responder a todas as dúvidas e tomar as decisões corretas. Você pode ser essa figura, ter um consultor interno, preparando-o para tomar as decisões com relação a qualidade de energia, ou então contratar uma consultoria externa, para lhe ajudar a investigar os problemas, os limites e, principalmente, as melhores soluções.

Consultor de qualidade de energia: Interno ou Externo?

Algumas decisões importantes precisam ser tomadas como o medir a gravidade dos problemas de qualidade de energia, diagnosticando com clareza como isso está afetando o desempenho. Ao entender o cenário, é hora de decidir se você investirá em um consultor interno ou externo. A decisão deve levar em conta vários fatores. Um consultor interno é vantajoso a medida que conhece bem a atividade e, com um bom treinamento, pode tornar-se um bom investigador. Mas é necessário escolher bem o profissional, capacitá-lo adequadamente (preferencialmente em cursos variados sobre o tema capazes de fornecer literaturas complementares) e equipá-lo com instrumentos adequados (mas lembre-se que há instrumentos de vários tipos e para várias aplicações, portanto não invista em um equipamento antes de decidir se o consultor será interno ou externo e qual o seu limite). Lembre-se que instrumentos podem ser comprados ou alugados e esta decisão pode ser a diferença entre a qualidade do serviço de consultoria. Após esta etapa, dê autonomia para que o profissional faça as investigações e possa compor um plano de adequação que deverá levar em consideração as perdas com os problemas de qualidade da energia versus o investimento em soluções.

Se a opção for por um consultor externo de qualidade de energia, é importante capacitar e paralelo alguém da sua empresa para que este saiba como e o que contratar, além de saber avaliar o que lhe é entregue. Neste caso, o investimento em um ou dois cursos é muito importante, principalmente aqueles que apresentam na prática as técnicas de mitigação. A decisão agora é sua. Boa sorte!

Deixe seu comentário

Siga nossa página no Facebook e Linkedin

Leia também:

Energia suja: será que eu tenho e não estou sabendo? Parte I

Como evitar a energia suja? Parte II


COMENTÁRIOS

Seja o primeiro a comentar essa postagem.

FAÇA SEU COMENTÁRIO

É necessário preencher o campo Nome
É necessário preencher o campo Email
É necessário preencher o campo Comentário